Postado por Janine | 0 comentários

Ambientes obesogênicos: como evitá-los


Ambientes obesogênicos são aqueles que favorecem a  alimentação inadequada e o sedentarismo. Lugares onde são oferecidos alimentos de baixa qualidade nutricional que não estimulam atividade física, levando ao consumo excessivo de gorduras de animais, açucares simples, ácidos graxos saturados, gorduras trans e sal. 

A ingestão diária de alimentos hiperenergéticos e a redução de fibras e de carboidratos complexos, propiciam o surgimento precoce de doenças crônicas como hipertensão, diabetes, doenças coronarianas e circulatórias, além do aumento dos índices carcinogênicos.

O padrão de consumo e a influência do mercado publicitário está levando crianças à interação precoce com esses ambientes nocivos. Um estudo feito por Almeida et al, avaliando 1.395 anúncios de produtos alimentícios veiculados na televisão, 60% deles estão no grupo da pirâmide alimentar representado por óleos, gorduras, açúcares e outros doces. Além disso, não existem propagandas de frutas e hortaliças.
Resultados de pesquisa feita em creches públicas de São Paulo, mostram que foram oferecidos, para cerca de 2/3 das crianças com menos de 12 meses, alimentos com potencial obesogênico, como macarrão instantâneo, suco artificial, refrigerante, bala, pirulito, biscoito recheado e chocolate. São filhos com mães com baixa escolaridade, jovens entre 20 e 35 anos, com menor renda, os mais suscetíveis ao erro alimentar. Obviamente, sem entrar em detalhes, expondo as crianças a alimentos cariogênicos, antes mesmo de desenvolverem a dentição decídua.
Interessante ressaltar que, neste mesmo estudo resultados apontaram que a escolaridade materna associou-se de forma estatisticamente significante com a introdução precoce de macarrão instantâneo e salgadinhos às crianças.

É preciso criar politicas públicas junto ao governo, empresas e instituições educacionais, no sentido de ´"pensar magro", criando espaços para incentivar a alimentação equilibrada e que estimule o movimento, como por exemplo o contato com a natureza, jardins, espaços para jogos, hortas, etc. E, na minha opinião, existir um controle de distância entre escolas e quiosques de venda de balas, refrigerantes e alimentos com alto teor de gorduras. Entretanto, os adultos, individualmente, devem adotar posturas  saudáveis diante das crianças e traçar  metas, modificar hábitos de comportamento, tanto em casa, dispendendo menos tempo no computador e  televisão, tanto fora de casa, evitando o consumo de alimentos gordurosos e carboidratos pobres em nutrientes e produtos que agridam o meio ambiente na sua produção, ou prejudiquem a biodiversidade.

Nesse contexto, o Ministério da Saúde publicou em 2002, juntamente com a Organização Panamericana de Saúde - OPAS - o guia alimentar para  menores de 2 anos, pois o abandono precoce do aleitamento materno  contribui para o comprometimento do crescimento e desenvolvimento  da criança, além da diminuição da imunidade, desencadeamento de processos alérgicos e distúrbios nutricionais.

Acesse o link abaixo e saiba mais:

                                        Guia alimentar: 10 passos para crianças menores de 2 ano

                                        I Simpósio obre Segurança Alimentar em Florianópolis





Dicas para evitar ambientes obesogênicos:

  1. Tenha sempre frutas e verduras a vista de todas as pessoas que circulem pelo ambiente;
  2. Não instale a televisão na cozinha e evite comer na frente do computador;
  3. Guloseimas devem ficar escondidas nos armários mais altos, dificultando o acesso de crianças.
  4. Esqueça potinhos, baleiros e outros recipientes para guardar biscoitos e balas.
  5. Tenha água sempre a vista na geladeira, invista em água mineral e filtros purificadores. Beba de 6 a 8 copos de água por dia
  6. Evite estoque de bebida alcoólica em casa. Elas contém pouco ou nenhum nutriente, faz o corpo perder vitaminas e é rico em calorias;
  7.  Evite refrigerantes. Eles são ricos em calorias vazias (contêm grande quantidade de açucares sem valores nutritivos);
  8. Use mais escadas e rampas, evite escadas rolantes e elevadores;
  9. No supermercado,  faça  primeiro as compras no setor de verduras e legumes, ovos, etc. Pense duas vezes antes de entrar em corredores "obesogênicos" para comprar produtos supérfluos. 

As saladas, além de serem acompanhamentos indispensáveis em qualquer refeição, podem ser transformadas na própria refeição, com todos os nutrientes necessários para o organismo, com equilíbrio de proteínas, carboidratos e gorduras boas na quantidade ideal. Veja alguns exemplos de refeições completas, com menos de 500 calorias.


Você pode criar saladas divertidas para crianças:






Com ovos, alfaces, linhaça e cenouras 






Com ovos, presunto, azeitonas, alface, cenoura, tomate  e pimentão




SALADAS INDIVIDUAIS PARA ADULTOS



Salada com ricota, vagem e tomate seco

Alface crespa o quanto baste para forrar um prato
1/3 de Pimentão verde
03 vagens cozidas
01 Tomate seco
04 tomates cereja
100 gramas de Ricota
Azeite de oliva, sal e orégano para temperar



Modo de montar o prato
  1. Distribua as folhas de alface sobre o prato
  2. Corte o pimentão em tiras finas
  3. Coloque os tomates cereja 
  4. Tire as fibras das vagens, corte em 3 pedaços e distribua sobre a salada
  5. Corte a ricota em cubos pequenos e tempere com sal, azeite de oliva e orégano e acrescente
  6. Corte o tomate seco em 4 partes 

Salada com salmão, pêssegos e castanhas

Ingredientes

Alface o quanto baste para forrar um prato 
Rúcula
Endívia
200 gramas de salmão cozido no forno
04 Castanhas-do-pará quebradas
01 Pêssego 
Azeite de oliva para temperar


Modo de montar o prato

  1. Tempere o salmão com sal e limão
  2. Cozinhe no forno alto por 15 minutos e corte-o em lascas
  3. Lave bem as folhas e o pêssego 
  4. Corte o pêssego em fatias finas 
  5. Distribua as folhas de alface sobre o prato e, por cima, as folhas de rúcula e as endívias.
  6. Por último, coloque as fatias de pêssego, as castanhas e o salmão em lascas.

Escabeche de Abobrinha

"Ótimo para receber  amigos em casa"

Ingredientes :

Pão integral
4 abobrinhas em fatias finas
2 colheres de sopa de salsinha
2 colheres de (sopa) de linhaça
3 dentes de alho picados
200 gramas de azeitonas picadas
1 cebola em rodelas finas

1/3 pimentão vermelho em tiras
4 colheres de sopa de azeite de oliva
Sal a gosto

Modo de Preparo:

  1. Em uma frigideira, frite o alho no azeite e reserve. 
  2. Coloque  mais azeite e vá passando a abobrinha para que ela amoleça. Reserve. 
  3. Coloque um pouco mais de azeite e passe as cebolas e o pimentão, mexendo até ficarem macios. 
  4. Arrume, em um refratário, as camadas de abobrinha, com cebola, alho, sal e, por cima, as azeitonas picadas e misturadas com linhaça. 
  5. Salpique com salsinha. 
  6. Regue o restante de azeite e sirva com pão integral.



Fontes:
Brasil. Ministério da Saúde. Dez Passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de 2 anos. Brasília: Ministério da Saúde ; 2002.
TOLONI, Maysa H. de A. et al. Introdução de alimentos industrializados e de alimentos de uso tradicional na dieta de crianças de creches de São Paulo. Revista de Nutrição, Campinas, vol.24, nº 1. jan./ fev. 2011.

0 comentários:

Atenção

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter informativo e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, agrônomos e outros especialistas."