Postado por Janine | 0 comentários

Câncer: quando o alimento se transforma em doença?

18/09/2013
O câncer é uma doença degenerativa resultante do acúmulo de lesões no material genético das células de um órgão. A estimulação intermitente num só local  faz com que haja lesão. A lesão não cicatriza por não ter tempo, devido a intermitência do processo. Então, essa estimulação constante induz ao crescimento, à reprodução e à dispersão anormal das células. Acontece que ocorre uma mutação genética que desencadeia a  doença.
As principais causas de câncer em seres humanos são: agrotóxicos, poluentes atmosféricos, exposição prolongada ao sol, estresse, alcoolismo e/ou tabagismo, alimentação rica em frituras e gordura animal e pobre em  fibras. Sendo que o tabagismo e a alimentação errada representam, juntos,  60% dos casos de câncer no mundo e 30% dos casos de câncer são causados por maus hábitos alimentares.

Mas o que pode 'acender a faísca' da mutação dentro do corpo através da alimentação ingerida diariamente? Quais são os agentes que podem permanecer "cutucando" as células dos órgãos até que estas se transformem em células mutantes?



 Estes são os agentes cancerígenos da alimentação humana:




  •  Nitritos e nitratos dos enlatados e embutidos industrializados; são formulações químicas para conservar os alimentos apresentam perigo para consumo humano e não podem exceder a quantidade de 200 ppm. Uma pesquisa realizada m São Paulo com 78 produtos embutidos, cerca de 17% apresentaram  níveis de nitratos e nitritos acima do recomendado. As  funções dos nitritos e nitratos são frear a proliferação de bactérias (Clostridium botulinum) e os principais alimentos que contém são os embutidos, como as linguiças, salsichas, mortadelas, toucinho e carnes defumadas, além de charque.
  • Quando ingerimos produtos embutidos "(...) o nitrato se resume a nitrito, que produz agentes nitrosantes que reagirão com aminas secundárias oriundas da dieta, formando nitrosaminas que são potentes carcinógenos, além de apresentarem ação teratogênica e mutagênica".


  • Ambiente intestinal  com pouca ou nenhuma fibra: As fibras são importantes para aumentar o bolo fecal e fazer com que o intestino exercite sua musculatura para forçar a saída, fazendo com que as fezes permaneçam por menos tempo no intestino. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), em 2013 a previsão é de que sejam acrescentados mais de 30.000 casos da doença no Brasil. É o quarto tipo de câncer de maior incidência, atrás apenas do câncer de pele não melanoma, com 134 mil novos casos; próstata com 60 mil e mama, com previsão de 53 mil novos casos. Um estudo realizado pela revista British  Medical Journal concluiu que,embora esta seja uma doença multifatorial (com influência do sedentarismo, obesidade e fatores genéticos), o acréscimo de 90 gramas de fibras na alimentação diária pode reduzir em 20% o risco de câncer colorretal.
  • Excesso de sal: relacionado ao câncer de estômago

  • Exesso de açúcar:
O consumo de açúcar refinado aumentou estrondosamente desde que o ser humano iniciou o seu desenvolvimento genético. Na antiguidade, há registro de que consumíamos 2 kg de mel por ano por pessoa. Em 1830, consumíamos cerca de 5 kg de açúcar por pessoa/ano e no fim do século XX, espantosos 70 kg por ano, cada pessoa do mundo!
Foi o biólogo alemão Otto Heinrich Warburg quem descobriu que o metabolismo dos tumores cancerosos são amplamente dependentes de glicose. Através de um aparelho de tomografia, o scanner PET, normalmente utilizado na detecção de tumores, que não faz nada menos do que aferir as regiões do corpo que consomem mais glicose. O biólogo ganhou o prêmio Nobel de medicina pela descoberta.
 Em todo processo do crescimento das células, sejam cancerosas ou não, estão envolvidos a glicose -  que é o açúcar no corpo depois de digerido - e uma proteína chamada glutamina. Mas as células do câncer têm 10 vezes mais receptores ou portas para passagem nas suas membranas a fim de passar o máximo possível de glicose para dentro da célula. Isso faz com que elas cresçam rapidamente. As células cancerosa "amam" glicose.
  • Excesso de gorduras: está relacionado ao câncer de mama e próstata; altera os níveis hormonais no sangue;
  • Temperatura na preparação do alimento. Altas temperaturas propiciam o aparecimento de compostos cancerígenos que afetam o estômago e reto. Grelhar, fritar ou assar na brasa a mais de 300° C



  • Armazenamento inadequado de grãos: a alta umidade propicia o desenvolvimento de um fungo que provoca câncer de fígado: o Aspergillus flavus. Ele produz aflatoxina que pode provocar câncer.
Fontes:
Blog da Saúde http://www.blog.saude.gov.br/ MS, acesso em 10/06/2013.
Blog do oncologista André Sasse, http://andresasse.blogspot.com.br/, acessso em 12/09/2013.
CÂMARA, Sônia Aparecida Viana. Fatores de risco para câncer de estômago: avaliação dos teores de nitrato e nitrito em linguiças. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS, 2006. 106 f.
SERVAN-SHREIBER, David. Anticâncer: prevenir e vencer usando nossas defesas naturais.
Revista Época, Açúcar pode causar tumor? Saúde e Bem Estar,18/08/2009.
Sítio LILACS Pesquisa em Bases de Dados, acesso em 02/10/2013.


Fatos extraídos da Revista Suprinteressante (publicação de maio de 2010):

*1873 - O inglês Campbell de Morgan descobre que o câncer surge localmente e se espalha pelo corpo (metástase).
*1910-1920 - A polonesa Marie Curie coordena os primeiros estudos para tratamento de tumores usando radioatividade.
*1991 - Mutações do gene p53 são associadas a vários tipos de câncer (hoje, sabe-se que ele está ligado a 50% dos casos).
1993 - Estudo feito nos EUA prova que fumaça de cigarro causa câncer e põe fim à controvérsia sobre fumantes passivos.
*2010 - Pesquisas recentes. Depois de descobrir que o bloqueio de um gene causador da doença - o Skp2 - força células tumorais a envelhecer e morrer, pesquisadores de Harvard desenvolveram uma droga que já está na fase de testes. A partir dela, acredita-se ser possível criar medicamentos capazes de extirpar células cancerígenas.

                    Salsicha com molho industrializado: alimento rico em gordura, sal, nitritos e nitratos




Algumas trocas saudáveis

A pipoca ao natural pode ser feita no microondas com apenas uma colher de chá de óleo vegetal por 100 gr de grãos

0 comentários:

Atenção

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter informativo e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, agrônomos e outros especialistas."