Postado por Janine | 0 comentários

Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC's)



As plantas alimentícias não convencionais são encontradas na natureza de maneira espontânea. São vegetais completamente orgânicos, abundantes e ricos em nutrientes. A maioria da população não conhece as funções alimentares dessas plantas e as consideram como ervas daninhas ou "mato" insidioso. Mas esses vegetais pouco consumidos pela população de regiões desenvolvidas e dominadas pela industrialização podem ser bastante consumidos em regiões como o norte e  nordeste brasileiro.
Depois de conhecer melhor as "pancs" você nunca mais verá o "mato" com os mesmos olhos.
O livro Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs) do Brasil registra 351 espécies. O autores Valdecy Kinup e Harri Lorenzi pesquisaram durante dez anos e elaboraram um estudo bem completo das plantas exóticas e nativas consideradas não convencionais nas várias regiões do país.   A maioria das PANCS são da família das Amarantáceas e existem, pelo menos 178 Gêneros muito conhecidos.








    Junça limpa e lavada


Junça como aperitivo

A junça, amêndoa da terra ou tiririca amarela (Cyperus esculentus L.), tem sua origem no Hemisfério Norte. Considerada como invasora em muitas lavouras pelo Brasil devido sua rusticidade e fácil proliferação, mesmo em solos empobrecidos, é valorizada em países como Espanha, Estados Unidos e México.
A maneira mais fácil de consumir a junça é consumindo seus pequenos rizomas  como aperitivo. Tem sabor que lembra amendoim e coco. Na região da Catalunha, Espanha é usada como matéria-prima da horchata, uma bebida de comercialização nacional.



Junça (Cyperus esculentus)

Caruru como hortaliça

O Caruru, Bredo ou Amaranto (Amaranthus sp) é originária da  América tropical. É muito consumida nas regiões Norte e Nordeste do Brasil nos estados da Amazônia e Pará.
Embora seja considerada uma PANC ou erva daninha no Brasil, na África e na América Central é utilizada como hortaliça com o nome de espinafre-africano ou espinafre-haitiano.


Caruru (Amaranthus sp.)

Sal verde para temperar

O sal verde ( Sarcocornia perennis) é uma amarantácea com alto teor de reserva de sal que foi descoberta pela pesquisadora Cecília Cipriano Osaida da Epagri de Itajaí em 2001 na cidade de Palhoça, numa região de manguezal de água salgada. Além de substituir o sal de cozinha, possui ômega 3 e 6 que auxiliam no combate ao colesterol e possui três vezes menos cloreto de sódio do que o sal comum.




Sal verde. Sarcocornia perennis. .




Ora-pro-nobis como fonte de Proteína


Ora-pro-nobis (Pereskia aculeata), também conhecida como carne dos pobres, vem se destacando entre os vegetarianos e veganos por ser uma planta de alto teor proteico e como todo vegetal de cor verde escura, fonte de ferro. Trata-se de uma cactácea muto usada como cerca viva, devido sua grande capacidade para proliferação e por ter espinhos no caule. A maneira mais fácil de propagação é através de estacas e o manejo deve ser feito de forma que alcance a altura de cerca de 90 cm a 1 metro.
Na culinária é muito usada acompanhando carne branca. 


Caldo Verde 

Ingredientes

200 gramas de folhas de serralha, falsa serralha (pincel de estudante, caruru, beldroega, mastruz, maria pretinha.
4 folhinhas de azedinha (trevo)
1 Cebola média
2 batatas 
Flores de pincel de estudante, flores de manjericão e frutos de maria pretinha para enfeitar
1 colher de sopa de azeite de oliva extravirgem
Sal e pimenta a gosto
1,5  litro de água


Modo de fazer

Lave muito bem as folhas coletadas e reserve.
Picar a cebola e as batatas descascadas. Refogá-las no azeite até murchar a cebola.
Acrescente a água e cozinhe até as batatas amolecerem.
Coloque as folhas verdes. Cozinhe por mais 1 minuto.
Coloque todo o conteúdo da panela no liquidificador e bata até formar um creme homogêneo.
Monte o prato enfeitando com flores comestíveis e frutos do mato como maria pretinha

Observação: peguei esta receita do 1º Congresso Nacional de Plantas Alimentícias Não Convencionais- CONPANC com a Chef Ana Ribeiro.


Dica: para tirar o amargor do vegetal, após higienizá-lo pique em pedaços, coloque numa tigela, acrescente um pouco de água e esprema bem com as mãos.
Molho para macarrão com ora pro nobis






Ingredientes

1/2 cebola média picada
2 colheres de sopa de azeite
1/2 litro de leite 
1/2 copo de requeijão
5 colheres de sopa de farinha de trigo
1 maço de ora-pro-nobis
Sal e pimenta a gosto

Modo de fazer

Refogar a cebola picadinha no azeite.
Pique o ora-pro-nobis e acrescente na mistura.
Acrescente  um pouco do leite vegetal.
Quando ferver, acrescente a farinha dissolvida no restante do leite.
Deixe cozinhando e acrescente o requeijão.
Cozinhe o macarrão integral conforme a embalagem.
Distribua o molho sobre o prato de macarrão integral.

Tomates cereja para decorar





Musse de gabiroba


Ingredientes


1 xíc de polpa de guabiroba

1 1/2 xíc de mnata
1 caixinha de leite condensado

Modo de fazer


Misture tudo e coloque na geladeira por 2 horas

Para fazer sorvete, congelar e bater por tres vezes.
Leia mais: Livro de Receitas Pancs

Dica: enfeite seus bolos, saladas e frutas com flores.
As flores comestíveis mais comuns que conhecemos são o brócolis, a couve-flor e a alcachofra em pratos salgados. Mas existem flores tão belas quanto nutritivas, não convencionais para elaborar receitas inusitadas. 
As mais abundantes são as maria-sem-vergonha, seguidas pelos amores-perfeitos.




0 comentários:

Atenção

"As informações e sugestões contidas neste site têm caráter informativo e não substituem o aconselhamento e o acompanhamento de médicos, nutricionistas, agrônomos e outros especialistas."